Cuidando do Coração das Mulheres III

Doença arterial coronária

    A doença arterial coronária pode se manifestar como angina ou dor no peito mas, em mais da metade dos casos, tem como primeira manifestação o infarto do miocárdio ou a morte súbita. Juntamente com o AVC (Acidente Vascular Cerebral), ela representa a principal causa de morte em todo o mundo.

    A maioria dos casos mostra a presença de pelo menos um fator de risco, que são condições que predispõem a este tipo de problema cardíaco e que, muitas vezes, podem ser tratadas.

    Por isso, é importante conhecer a história familiar de doenças, abandonar o hábito de fumar, controlar a pressão arterial, prevenir ou tratar o diabetes, realizar atividade física e manter uma alimentação saudável. Porém, o cardiologista é o profissional que saberá avaliar seu caso em particular e, quando for o caso, solicitar os exames necessários para tornar a prevenção ainda mais eficaz e garantir que você tenha a melhor qualidade de vida e, se indicado, prescrever medicamentos. 

 

O sono e o seu coração 

     Você sabia que quando dormimos há um momento de repouso no nosso sistema cardiovascular, no qual tanto a frequência cardíaca quanto a pressão arterial são reduzidas? Esse processo é muito importante para a saúde do coração. Portanto quando descuidamos da qualidade do nosso sono, aumentamos a chance de termos doenças cardiovasculares, tais como a hipertensão arterial.

    Além disso, alguns distúrbios do sono, como a apneia obstrutiva, estão diretamente ligados ao risco de doenças cardiovasculares, inclusive ao desenvolvimento de aterosclerose coronária. 

 

Como combater o colesterol 

O Dia Mundial de Combate ao Colesterol é uma data que foi criada com o objetivo de incentivar a mudança no estilo de vida e conscientizar as pessoas sobre a importância de controlar os níveis de lipídios no sangue, pois o colesterol elevado, também conhecido como dislipidemia, é um dos fatores de risco mais conhecidos em relação à aterosclerose, quando há um entupimento nas paredes das artérias, e que pode resultar na ocorrência de doenças cardiovasculares.

    Apesar de parecer um vilão, o colesterol é muito importante para o nosso organismo, sendo necessário para a produção de diversos hormônios, além de fazer parte da composição dos sais biliares, que auxiliam na digestão das gorduras da dieta. Existem basicamente dois tipos de colesterol, o HDL, conhecido como o “bom colesterol”, e o LDL, conhecido como o “colesterol mau”.

    E para garantir o equilíbrio entre os dois e o bom funcionamento do organismo, é importante estar sempre atento aos níveis ideais do colesterol no sangue, sendo os de HDL, com ou sem jejum de 12 horas, >40 mg/dL, enquanto que os níveis ideais para LDL são de, no máximo, 100 mg/dL. Mas, no caso de existirem outros fatores de risco para infarto e AVC, pode ser que o nível ideal seja de 70 ou mesmo 50 mg/dl.

    Por tudo isso é muito importante estar sempre em contato com o seu médico, fazer os exames regulares que ele indicar, manter hábitos alimentares saudáveis e praticar atividades físicas, para assim, vencer esse inimigo silencioso da saúde do seu coração.

 

Como prevenir o infarto

    Com certeza você já ouviu falar no infarto agudo do miocárdio, mais conhecido como infarto ou ataque do coração. Ele acontece quando ocorre a obstrução de uma das artérias coronárias (vasos que levam o sangue para o coração) e assim, o sangue não consegue chegar até a área do músculo cardíaco (chamado miocárdio) que recebe essa irrigação. Essa região, por não receber o sangue, morre e para de funcionar e, a depender da sua extensão, as consequências para o paciente podem ser bem graves.

    Os sintomas mais comuns incluem dor ou desconforto no peito, habitualmente durando mais de 30 minutos, podendo irradiar para os braços, porção superior do abdome e pescoço, acompanhada de sudorese e, às vezes, sensação de enjoo.

     É importante saber, por outro lado, que essa apresentação clínica pode variar. Mas se você tiver histórico de infarto na família, é importante permanecer atento para não deixar de tratar esse sintoma a tempo. Isso é fundamental, pois existem tratamentos efetivos que, se feitos em até quatro ou seis horas do início dos sintomas, podem limitar a extensão da área infartada e melhorar muito a qualidade de vida dos pacientes. O melhor, porém, é não descuidar da prevenção antes de ter um infarto. Adote um estilo de vida saudável, alimente-se de forma equilibrada, pratique atividade física regularmente e, se for fumante, pare. 

 

Os cuidados com a insuficiência cardíaca

    Esta é a condição na qual o coração não consegue bombear apropriadamente o sangue necessário para nutrir o organismo adequadamente, geralmente como consequência de alguma doença cardiovascular, como hipertensão ou infarto e provoca cansaço, falta de ar e arritmias.

Assim, caso você apresente os seguintes sintomas:

  • Cansaço fácil,
  • Inchaço dos pés ou tornozelos,
  • Tosse seca e tenha sensação de palpitação

   Procure um cardiologista para que, caso o diagnóstico seja confirmado, começar o tratamento o mais precocemente possível.

    Não esqueça, porém, que o melhor caminho é a prevenção, combinando atividade física regular, alimentação saudável, medindo a pressão arterial pelo menos duas vezes por ano e fazendo avaliações médicas regulares.

 

Referencia : Veja Saúde / Fleury – Medicina e saúde

 

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn