Quebrando O Silêncio

Conheça o Projeto

A campanha “Quebrando o Silêncio” existe há quase 20 anos e a cada ano traz uma nova temática que visa o combate à violência doméstica no Brasil. Uma campanha que quer dar voz às mulheres, que de acordo com os dados, são as que mais sofrem com a violência em sua própria casa.

De acordo com o relatório de 2018 do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), 20% dos homicídios no mundo são cometidos por familiares. Desses crimes, 64% têm como vítimas mulheres. E quando cometidos por cônjuges, 82% também têm como vítima a mulher.

Se você precisa de ajuda, dar seu grito de socorro, estamos aqui por você!
E se você está aqui para apoiar, vamos juntas Quebrar o Silêncio!

Você já sofreu algum tipo de abuso ou conhece uma mulher que tenha passado por isso?
No Brasil as principais causas de violência contra as mulheres no âmbito doméstico são: verbal, psicológica, física, sexual e patrimonial. A melhor forma de combater é a violência é a educação.

Há 18 anos, a Igreja Adventista do Sétimo Dia promove o projeto educativo #QuebrandoOSilêncio, para prevenir o abuso e a violência contra mulheres, crianças e idosos, que ocorrem dentro e fora de casa, em 8 países da América do Sul. Saiba mais sobre esse programa e sempre que preciso: disque 180!

Quero Ajudar:

Mais do que fazer, é ser a diferença. Você pode, você deve, você é! Faça parte deste movimento que tem transformado a vida de milhares de mulheres, inclusive de sua comunidade, próximas a você.

Eu ajudo, eu apoio, eu protejo, eu sou a diferença! Clique aqui e tenha acesso a todos os materiais do “Quebrando o Silêncio: Amor que Mata”. Seja a diferença!

Denuncie:

Os dados não mentem, na verdade eles escancaram em nossa cara a realidade cruel de tantas mulheres. A cada ano, mais de 1 milhão de mulheres são agredidas no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad). Um registro de agressão à mulher ocorre a cada 2 minutos.

Quando ocorre violência doméstica, o índice com vítimas femininas é três vezes maior que os registrados com homens. Muitas mulheres não procuram a polícia após a agressão por medo de denunciar e ocorrer retaliação. A cada hora, quatro meninas de até 13 anos de idade são estupradas. Não se cale. Denuncie! Disque 100 e 180!

A violência contra a mulher também é pandemia global.
Diga não ao abuso e sofrimento, disque 180!
#QuebrandoOSilêncio